Viajar

A inglaterra que poucos conhecem

Nunca o clássico e o moderno se misturaram tão bem quanto nesta ilha que durante séculos ditou as regras e os costumes do mundo. Pisar em solo inglês é entrar em contato com uma realidade que vai além dos livros de história.
As Ilhas de Scilly
As amenas Ilhas de Scilly, situadas a cerca de 45 km a sudoeste de Land’s End (o extremo sul da Grã- Bretanha), são constituídas por 140 ilhas rochosas, mesmo a meio da corrente do Golfo. O clima ameno permite que plantas e árvores que não sobrevivem na Grã-Bretanha ali cresçam e floresçam e por isso o cultivo de flores é uma atividade importante. O ritmo de vida nas cinco ilhas habitadas é tranquilo e suave e não há necessidade de ter um carro porque a maior delas (St Mary’s) tem apenas uma extensão de cerca de 5 por 3 quilómetros. A maior parte das ilhas tem praias de areia branca, águas límpidas e uma coleção de navios naufragados, tomando-as muito atractivas para mergulhadores. A principal atracão turística são os jardins subtropicais da abadia Tresco, no local com o mesmo nome. As melhores praias estão em St Martin’s, mas a paisagem mais impressionante é a de Bryher’s Hell Bay, num dia de vento do Atlântico. Os visitantes podem deslocar-se de avião para St Mary’s a partir de Land’s End, de Exeter, de Newquay, de Plymouth e de Bristol, ou apanhar um barco em Penzance.
New Forest
Situada entre Southampton e Boumemouth, na zona das estâncias balneares da costa sul, este pedaço de floresta com cerca de 366 km2 é a maior área de vegetação natural que restou em Inglaterra. Tem sido assim desde que Guilherme o Conquistador lhe deu o nome, em 1079. Por esta razão, há um certo número de tradições que sobreviveu na floresta, como por exemplo o direito dos agricultores utilizarem os terrenos para pasto do seu gado. Há cerca de 5000 póneis selvagens e cabeças de gado a pastar na floresta, bem como muitos veados, texugos e raposas entre as florestas de carvalhos, de faia e de azevinho. É uma área muito bonita para se percorrer de automóvel, mas ainda melhor se abandonar as estradas e se fizer caminhadas ou percursos de bicicleta.

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *